sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Resurgir da Loba

Foto: Paula Lyn - http://www.paulalyn.com.br/

Segui os rastros de lama
E as patas marcadas na terra
Caminhos para dentro de mim

Descobri-me fêmea selvagem
Escondida com vestimentas
Unhas pintadas, cabelo domado
A exibir a cauda que balança para lua

Uivo como uma loba
A lua cheia ascende minha essência
Eu me caço e me encontro indomável

Ela despertou e não mais me deixa dormir
Em meus sonhos mostra o que nunca
Posso deixar de ser
Me apaixono por seus olhos vivos
Sua boca sedenta
Pés descalços que bailam em volta da fogueira

Sou loba, louca e não quero mais roupas
Gosto de sentir o vento
A acariciar minha pele
E acender a paixão pela vida

Não quero mais sapatos
Que me afastam da mãe
Quero voltar para a casa
Uivar em teus braços
Para depois adormecer
Como um cãozinho de madame
No tapete com cheiro das entranhas
Esperando a próxima lua
para nascer cheia de mim

Um comentário:

Heloisa disse...

Você é maravilhosa e escreve como ninguem tenho muito orgulho de ser sua mãe